Assim é a PJ

Share on facebook
Share on twitter
Share on whatsapp
Share on email
PJ tem competência reservada em investigação criminal.

A PJ é um Corpo Superior de Polícia. Essa condição especial corresponde ao facto de caber exclusivamente à PJ a investigação da criminalidade complexa, altamente organizada e especialmente violenta.

Só a PJ tem competência reservada em matéria de investigação criminal, não podendo ser deferida a outras polícias.

Nessa competência exclusiva, cabe à PJ a investigação dos crimes de homicídio, sequestro, rapto, escravidão, tomada de reféns, associação criminosa, contra a segurança do Estado, corrupção, branqueamento, terrorismo, tráfico de estupefacientes, crimes informáticos, económico-financeiros, contra o património cultural, tráfico de pessoas, etc.

Por outro lado, toda a carreira de investigação criminal da PJ tem atribuída por lei a classificação máxima de complexidade funcional (grau 3).

Significa que as habilitações exigidas para ingresso na carreira de investigação criminal da PJ são obrigatoriamente de grau académico superior.

A PJ tem a escola e a tradição da investigação criminal em Portugal, com origem na Polícia Cívica, criada pelo Rei D. Luís em 1867, na dependência da Justiça do Reino com a missão de “descobrir os crimes e delitos”. Assim é a PJ.